segunda-feira, outubro 15, 2012

Paisagem...


6 comentários:

Anónimo disse...

Paisagem visualmente poluída. Em nome da Economia Energética, das energias renováveis e não poluentes levantaram-se torres em toda a parte. Notamos, hoje, sem economia a sério pois parece que esta sai cara ao orçamento. Em minha humilde opinião, não deveria haver torres destas dispersas por todo o país, mas apenas em parques concentrados. Sempre faltou ordenamento no nosso pequeno Portugal. Agora, com esta desordem, não há paisagem que não polua a vista.
asp

virgilio neves disse...

Imaginemos essa arvores enferrujadas daqui a 100 anos.No alto das nossas serras

Anónimo disse...

Caro Virgílio,
Tu que és homem viajado disseste bem. Basta olhar para a quantidade de linhas férreas abandonadas.
Daqui a 100, talvez mais anos, se errarmos não nos pedirão contas, far-se-á energia com os nossos/deles xistos e construir-se-á uma rede no cimo das nossas montanhas para captar a humidade do ar.
asp

Luis rebelo santos disse...

Concordo Virgílio. Depois do 25 de Abril, paulatinamente, as nossas autoridades foram confundindo Democracia com Anarquia e agora é o caos que temos a todos os níveis. Vejam bem que até o Ambiente que tão efusivamente apregoavam defender conspurcam e sinal evidente disso foram as recentes dissoluções de alguns Parques Naturais. No caso particular do Parque Natural da Serra da Estrela já nem sei se foi um mal menor visto termos tido gente pouco zelosa e menos competente como por exemplo o Jorge Patrão, seu Presidente e um autêntico "Folha de Álamo", conivente com interesses que foram delapidando a própria causa que se julgava ele ter abraçado - São gente assim que tem que ser irradiada de quaisquer cargos públicos...(Até se pode vislumbrar na foto que as últimas 7 fiadas de torres eólicas a NE invadem já os limites do Parque)

Cumprimentos
Miguel Rebelo Santos

Mariita disse...

É, de facto, uma paisagem poluída e não sei se poderá voltar ao que era, infelizmente...

Anónimo disse...

O cluster das energias renováveis é uma boa aposta para uma economia,como a nossa, com dependência energética do exterior.
No caso presente,a energia eólica ainda não se encontra na plenitude da sua maturação,daí os preços elevados nos projetos de instalação.
A médio prazo,as condições serão vantajosas e sustentáveis.
No caso presente,é mais o impacto visual e que poderá ser substituído daqui a algumas décadas por novas torres ou apenas retirar para reciclagem ,estas torres.
O problema para mim é que predominam as obras faraónicas para benefício de poucos e muitas vezes não se avaliam todos os impactes (vantagens e inconvenientes)porque os decisores assim o determinam,condicionando as valias da engenharia.
Com ciclos curtos de eleitos ,conduzem a isto e o País e nós contribuintes,ficámos "de tanga".
Ao Miguel faço a correção de que o Jorge Patrão presidiu à Região de Turismo da Serra da Estrela e não do Parque Natural.
fs