domingo, fevereiro 22, 2009

Atenção!!!

Atenções redobradas à saída/entrada do Sobral. Depois de passarem pela antiga padaria em direcção à Presa, irão deparar-se com uma derrocada que tem sofrido intervenções no sentido de diminuir os condicionalismos do trânsito que por ali circula. A derrocada já tem umas semanas e a zona está devidamente sinalizada, contudo todos os cuidados são poucos devido ao evidente estreitamento da via.

A decorrada vista de perto

A intervenção que a mesma está a sofrer


Quando fui fotografar esta derrocada encontrei logo ali ao lado o Pinto em trabalhos árduos :)
Deixo esta foto para um certo Pai que se encontra na Suíça constatar que o Homem da casa tem tratado da horta!

Antes da farra do Carnaval é preciso lavrar a terra que já é tempo da sementeira :)



Sementeiras à parte já sabem que na passagem pela estrada principal têm que ter cuidado. A estrada da carrasqueira é neste momento uma excelente opção para fugir a este condicionalismo, tanto na entrada como saída da aldeia.

12 comentários:

Anónimo disse...

Grande barranco! O declive das nossas encostas sempre foi muito propicio a estes barrancos. É a primeira vez que vejo estabilizar um barranco com a construção de um muro de gabiões, será mais eficaz que uma parede de xisto?

Quanto ao Daniel tal como os restantes jovens sobralenses ajuda na labuta. A internet é uma maravilha, fica um pai decerto com um coração mais cheio ao ver o filho.

Anónimo disse...

..olha o Pinto a fazer k trabalha...lol
...eheheheheh...

famel disse...

Um muro de gabiões é uma excelente opção na estabilização de taludes e paredes. É também mais drenante e estável do que uma parede de xisto, pelo menos neste contexto de aplicabilidade.

Quanto à internet há que tirar proveito das coisas boas que ela nos permite fazer!

Remendo disse...

Vai ficar mal feito !! ou é para fazer um miradouro pa ETAR

fernando pinto disse...

Parece-me que já é temp de a Câmara Municipal mandar colocar nesse troço da estrada rails de protecção.

sobralfilho disse...

Era um dos sítios onde eu desde há muito tinha "medo" de passar de automóvel. Passava por ali com muito cuidado e frequentes vezes "fugia" pelas Lavradas.

E "aquilo" ruiu - era obviamente uma questão de tempo.

Espero que o remendo fique bem feito: Tenho muitas dúvidas nessas "modernices" dos gabiões ou lá como se chama.

Há cerca de 20 anos em pleno Rio Zézere, perto da ponte de Valhelhas fizeram um açude com essa técnica de colocar pedras entre arames.O açude destinava-se a represar a água para efeitos de regadio e para praia fluvial. A engenharia toda eufórica dizia que "era uma técnica francesa". A "técnica" não aguentou uma chuvada das fortes, o Rio nem precisou de encher: No primeiro ano foi metade,no ano seguinte foi o resto, E pronto lá "foi tudo por água abaixo"... até hoje!

É sabido que a estrada desde as Lavradas até Casegas precisa duma profunda intervenção e não de remendos...

Aqui quer a Junta de Freguesia quer a Câmara Municipal precisam mesmo de fazer os trabalhos de casa.

E lá para o fim do ano não faltarão promessas...

viaturas disse...

Boa ! boa ! eleições........!
os votos do Sobral podem justificar tal obra ?

famel disse...

A meu ver nem sequer deve ser uma questão de votos. É uma questão das necessidades dos municipes. Desde quando é concebivel a ideia de o autarca pensar em fazer um aeroporto na Covilhã antes de ter satisfeitas as necessidades primárias e vitais das fregueguias do concelho?!

Lá está, não é uma questão de votos mas sim de prioridades mal estabelecidas.

Anónimo disse...

Se os funcionários da C.M.Covilhã trabalhassem tão bem como o Pinto, o barranco já estava feito. E o caminho pela capela não é alternativa. Ainda no outro dia varios veiculos pesados tiveram muitas dificuldades em passar pela capela. Isto é uma vergonha...

fernando pinto disse...

Porreiro...não precisamos de estrada! Já imaginaram um aeródromo na zona do campo de futebol de onze? É "trigo limpo" para as autárquicas!

Mariita disse...

Estou com o Sobralfilho na "modernice" adoptada para solucionar este problema. Até parece que ninguém vê as paredes dos chães feitas em xisto, com alturas incríveis a aguentarem há dezenas de anos, todas as intempéries.
Por mim, lamento que numa terra de xisto se queira "impingir" este tipo de soluções "graníticas"... não procurando a preservação do que de mais bonito e característico existe.
Afinal, até ouvi dizer que já fomos incluidos nas Aldeias da Rota do Xisto!?

DECAA disse...

Estou de acordo contigo , Mariita so quem passa no outeirinho se aprecebe daquel atentado