segunda-feira, fevereiro 27, 2012

Hoje, o merecido tributo a Sobral de S. Miguel. Parabéns!


SOBRAL DE S. MIGUEL (Decreto-Lei n.º 69/70 de 27 de Fevereiro) Parabéns a todos os Sobralenses e em especial aqueles que lutaram para que assim fosse ...

Palavras que tomei a liberdade de "roubar" à Sandra Ferreira, e que faço também minhas.

21 comentários:

virgilio neves disse...

...E eu que sou(era)tão bom para me lembrar efemérides, ia passar esta em branco não fosse a Mariita a alertar com o seu post tão oportuno.
Posso no entanto puxar pela memória e recordar a faixa branca (no Largo do Cabecinho) com grandes letras pretas a saudar as autoridades presentes e a pedir aos Sobralenses que passassem a usar o novo nome da nossa freguesia.
Parece que o dia calhou numa 6ªfeira e que a banda que animou a solenidade era a de S.Jorge.
Agora,do que eu não me esqueço é que nesse mesmo dia do ano seguinte(27/2/1971)deixei de ser residente na nossa querida terra até hoje.E ainda não sei quando para lá voltarei.

Anónimo disse...

Só espero que com a reorganização das freguesias imposta pela TROIKA não tenhamos de ser de novo agregados a Casegas, passando a chamar-se a freguesia de "Casegas Sobral" ou Sobral-Casegas".
Creio que com os critérios que têm sido divulgados (número de habitantes, ruralidade, distâncias) não existirá perigo de perda da "independência".
AAG

Anónimo disse...

Tanto o Sobral como Casegas são hoje duas das mais interessantes aldeias do País. Por fustigadas pelos incêndios, têm perdido alguma da sua beleza natural. O abandono dos cultivos tirou-lhes vida. A origem do Sobral é sabida. O nome, também. A criação da sua identidade é um facto inolvidável. Actualmente nada move o Sobral contra Casegas, nem nada move Casegas contra o Sobral. São duas freguesias com a sua identidade. O nome Casegas, de facto, é estranho e não está provado que tenha tido origem em Casa de Egas, não há documentos que o provem e não vejo palavra latina que lhe tenha dado origem a não ser forçadamente. De facto, nos primódios da Nação houve vários Egas distintos a quem pode ter sido atribuído o vasto espaço da sua implantação, mas falta a prova. A Origem do Sobral e do seu nome são óbvios. Ainda não estudei o novo quadro administrativo proposto, mas creio que devemos sobretudo defender a unidade concelhia e uma mais sábia gestão do dinheiros públicos. A política de endividamento seguida pela maioria dos responsáveis autárquicos só podia levar a isto. Temos de aprender a viver com os nossos recursos, a respeitá-los e valorizá-los, o que não tem acontecido em muitos lugares.
asp

Anónimo disse...

O nosso amigo AAG levantou aqui a questão do nome para uma eventual agregação das freguesias do extremo concelhio em uma apenas. Qual a realidade identificadora, o xisto, o pinhal, as minas, o pastoreio, alguma das ribeiras? Qual o projecto à volta do qual se devam unir se não questionarmos a proposta que nos fizerem? De facto de entre as aldeias do concelho da Covilhã, as nossas são as que têm realidade mais dificil por dificuldades de comunicações. Se para além de Casegas e Sobral se unirem, no mesmo concílio de aldeias S. Jorge e a Aldeia de S. Francisco, teremos uma freguesia plena de recursos, mas falha de infra-estruturas. Todavia, não seria uma má opção, se fossem lançados projectos de imediato contemplando as ligaçoes em nome do futuro e porventura fazendo emergir um novo pólo urbano no centro deste território: o Porsim.
"Terras do Porsim" é um bonito nome. Sem ironia, que o assunto é muito sério.
asp.

Anónimo disse...

Sobre as terras ou aldeias do Porsim,
Esclareço que eu não tenho terras no Porsim e nenhum interesse privado me move a que se projecte naquele espaço a esperada energia resultante de uma proposta agregadora do género. Pela ocasião do referendo sobre a regionalização, promovi um livro de textos oportunos, que distribuimos gratuitamente, pois foi pago pelo programa INTERREG e não fossem agora as muitas obrigações promoveria um projecto sobre potenciais factores de agregação ou de identificação de espaços agregáveis. Como então perdi, agora, perderia também. Já estou habituado a perder como bom sportinguista. Por enquanto, fico-me pelas terras do Porsim, onde meus pais passaram mais vezes do que eu a caminho das Minas.
Rogo participação neste debate em nome do futuro de caseguenses, jorgenses, sobramicaelenses e aldeiadefranciscanenses, antes de nos autorreduzirmos a "Terraporsinenses".

Anónimo disse...

deixem-se estar sossegados. Isto é só para fazer ondas.
jbg

Anónimo disse...

Caro jbg
A democracia não deve resumir-se ao nosso voto em quem não conhecemos de vez em quando, mas a sim empenhar-nos na condução dos destinos do país. Não podemos deixar que este seja governado com régua, esquadro e calculadora a partir do terreiro do paço e devemos criar riqueza com as nossas propostas. O destino das terras dos nossos pais está em causa e devemos participar activamente na construção do futuro. Eu também creio que a lei só por si não traz riqueza, mas o nosso empenho sim. Repito: queremos construir a unidade Terras do Porsim, Terras do Souto Negro, ... ou outras?
asp

Anónimo disse...

Uma designação deveras interessante, seria a de Terras das Pedras Lavradas e associados às Teixeiras, aos Trigais e aos Vasques Esteves, faríamos uma freguesia absolutamente nova, dividida em dois concelhos.

Anónimo disse...

Estou a gostar das ideias que aqui vão expoondo. Mas, lembro que esta situação não é nova. Houve algumas tentativas de associar freguesias, quer em torno de projectos comuns quer em termos logísticos, e todos falharam.
Lembro a tentativa de criar uma associação em torno do "Couto Mineiro" e a tentativa do Paul de criar um SAP (saúde)e uma repartição de Finanças que atendesse a zona sul do concelho.
Quanto a abranger a zona da Teixeira é melhor esquecer. Salvo os doentes que gostavam de ser atendiddos no hospitaal da Covilhã. Convém não lembrar os problemas que criaram com o arranjo da estrada Alto do Sobral/Pedras Lavradas.
Penso que este tema não deve ser tratado de forma ligeira. Mas também é verdade que algumas freguesias rurais do nosso concelho deviam sr suprimidas.
JBG

Anónimo disse...

PROVOCA_DOR:
Proponho algo revolucionário:
Com a experiência dos mineiros, da zona, com a ajuda da Beraltin and Wolfram Company, com a ajuda da TROIKA
Faz-se um túnel de ligação ao Piódão e teremos a freguesia da Serra do Açor.
O Piódão (como cartão postal)era o íman que atraía o turismo e, assim, tornava-se mais fácil o transporte do mel e da aguardente de mel do Sobral, pois no Piódão nada se produz, tudo se transforma...
Poderia ser que nesta "Viagem ao Centro do (nosso) Mundo" se encontrasse (o que não deve ser impossível) um filão de volfrâmio por debaixo dos fragões da Cabrieira.

Anónimo disse...

A freguesia proposta pelo anterior anónimo seria antes a freguesia do Buraco. O túnel do Marão está parado por falta de dinheiro. Com tão pouco que há dava para fazer apenas um buraco que seria apenas nais um.
Creio que já há uma freguesia do Açor ali para os lados de S. Vicente da Beira. Piódão é um nome interessante. Gondufo é fantástico.Já têm dono tais nomes. No Sobral, há topónimos que podem abranger meio concelho da Covilhã, um deles por exemplo "Cada Vale". Freguesias de Cada Vale abrangeria Casegas, Sobral, S. Jorge etc. Cadaval já existe e o novo acordo permite Cada Vale com tudo o que pode significar. Viva a criatividade!!!

Anónimo disse...

Criemos então:

Faço nova proposta de nome, aproveitando as deixas do Cada Vale e do Porsim:
Freguesia de "Cada(Um)Vale Por Si"

Anónimo disse...

Caro criativo anónimo anterior,
Dir-te-ei o que meu pai, que Deus tem, me dizia: - filho, um homem sozinho não vale nada. Sempre concordei com ele e agora cada vez mais. Ele sabia bem o que dizia pois tinha ficado sem pai aos dois anos. Eu direi mais: na conjuntura actual, os projectos de desenvolvimento de maior interesse deveriam agrupar freguesias e concelhos. Quando acima apontei o Porsim como espaço sinérgico, não me divertia. Aquele espaço tem todas as condições para o desenvolvimento, faltando apenas a vontade humana. Aliás já despertou o interesse de gente estranha ao nosso território. Colocado no centro de três ou quatro freguesias, com água em abundância e outros recursos, nele tudo se pode fazer. Aqui, deixo um apelo às novas gerações que com empreendorismo, muito trabalho e espírito colectivo rompam com esta fatalidade de nos considerarmos naturais de um espaço do fim do Mundo e façam do Sobral um espaço de desenvolvimento na dianteira do concelho da Covilhã, com os nossos amigos de Casegas e de S. Jorge e da Aldeia de S. Francisco, se eles quiserem ou da Erada e Trigais. O que de pior eu tenho notado nas freguesias e nos concelhos da nossa região é o "autismo" de cada um dos responsáveis de topo. De facto, cada um vale por si o que quer dizer gastam a dobrar para fazer metade do que podiam de facto fazer e os resultados estão à vista com os calotes que foram acumulando nos bancos e com os quais agora todos sofremos.
asp

Anónimo disse...

Sempre me interroguei (nos percursos que fazia para a Sernada)porque motivo não se tinha estabelecido uma povoação no Porsim que, de facto, em comparação com o Sobral, apresenta, à partida mais potencialidades.
Mas mais reflectidamente reconheço que as implantações de povoações em determinados locais estão ligadas a diversos factores, parecendo-me que, mais acima, no Sobral, sempre havia mais espaço para o gado que constituía uma das principais formas de alimentar as centenas de pessoas que acabaram por aí residir.
Quando agora se coloca a questão, ainda que meramente teórica, de um pólo aglutinador, parece tarde demais, considerando a desertificação do interior e a falta de condições que permitam a fixação de pessoas, designadamente dos mais jovens.

Anónimo disse...

Os nossos antepassados que muinto lutarao para tirar Casegas do nome da nossa terra devem ficar um pouco tristes au ouviren estas propostas,damos por vencidos antes de comecar as negociacoes.

Anónimo disse...

Caro anónimo anterior,
Casegas e Sobral só têm a ganhar valorizando o património mútuo. O decurso dos factos históricos e a falta de registos deixa alguns mistérios. Não me parecem muitos no Sobral. Se bem notarmos, já tem sido relevado, mais por outros do que por mim, o facto de o Sobral nascer numa das rotas difíceis, mas possível, dita do Sal, entre o Litoral e o Interior, Ou seja desde o sítio onde acabava o rico, farto, extraordinariamente produtivo, Baixo Mondego, Penacova e porto da Raiva, para a Cova da Beira, também rica, aurífera, lanífera, frutícola, etc. Depois há uma linha de devoções, manifesta em ermidas, que sempre atraíram os homens, estas com algum cariz militar, o nosso S. Miguel, também há o S. Jorge, e de imediato a grande Senhora das Preces, da Aldeia das Dez. Também devemos notar que o clima é melhor no Sobral do que no Porsim, muito mais exposto aos frios invernais e primaveris. De facto, o sítio do Sobral era mais acolhedor para o homem antigo do que o Porsim. Mas tudo muda, até o clima e hoje o homem vence mais facilmente o frio e o calor do que o antigo. Tenho de estudar e deixo neste ponto a minha habitual reflexão matinal, insistindo que os homens ganham mais unidos do que separados e divididos e as povoações também como é óbvio. Estamos em tempo de eliminar barreiras e abrir novas vias, contra o marasmo e o abandono, pelo futuro.
asp.

Anónimo disse...

Gostava que esclarecesse que tipo de problemas,o anónimo JBG, causou a beneficiação da estrada do Alto do Sobral/Pedras Lavradas.
Fico muito grato pela resposta.
fs

silence disse...

Há algum tempo...

silence disse...
Sernada, Eira das Casas e Porsim futuros locais, (devido a vários factores)a repensar...turismo, casas de campo, micro agricultura,medronho, vinha, pomares, pesca, passeios, cavalos,etc, etc...?!!!

25/5/07 16:35

Anónimo disse...

Sobre problemas, o meu amigo fs tem razão. Entre os homens, insanável de todo só a morte. Mesmo para as doenças incuráveis que ainda nos atormentam esperamos a qualquer momento que o desenvolvimento da Ciência as resolva. Na questão política, para não haver problemas, é necessário que tudo seja transparente e os cidadãos senhores do espaço público encontrem sempre a melhor solução que traz interesse a todos. Na questão do agrupamento de freguesias, devemos fazer tudo para racionalmente encontrar os pontos de interesse e proveito para todos e não levantar fantasmas ou como dizia o F. Paulouro há dias no lançamento do livro Representações da Portugalidade tirar esqueletos do Armário.
asp

Anónimo disse...

Até parece que ao mudar de nome ganhámos qualquer tipo de independencia ou algo do género...enfim...se calhar nunca fomos tão dependentes como antes e tivemos tão pouca soberania. E anda-se entretido a discutir o sexo dos anjos...

Anónimo disse...

Até parece que nomes como "Casegas" ou "S.Miguel" são algum bicho ruím. saloíces...